Korn: ex-baterista explica como banda perdeu suas características

O ex-baterista do KORN, David Silveria, postou a seguinte mensagem em sua página do Facebok:

“Olá, pessoal.

Antes de eu entrar neste post, eu quero deixar claro que só estou explicando algumas histórias do começo do KORN, não estou atacando o KORN de forma alguma.

Espero que os fãs do KORN achem isto interessante.

Para todos os haters que vão falar merda, Porque continuar lendo isto? Talvez vocês precisem de ajuda.

Então aí vai.

Em 1991, quando o KORN estava compondo suas primeiras músicas, estávamos em nosso estúdio de ensaios. Quando tínhamos 6 ou 8 músicas nos fizemos nosso primeiro show, então voltamos para a sala de ensaios para continuar a composição. Então, nos próximos anos, nós escrevemos e reescrevemos músicas, tocamos em inúmeros shows. A música que se tornou nosso primeiro disco, ‘Korn’, foi escrita, tocada ao vivo, e melhorada por uns dois anos e meio. Nosso segundo e terceiro disco ‘Life Is Peach’ e ‘Follow The Leader’ foram escritos em nossos ensaios e ensaiados e afinados várias e várias vezes. nós não fazíamos shows durante a composição, porém. A música e o vocal eram escritos juntos. Este era o ponto chave.

Os primeiros três discos tiveram todo o tipo de tempo quebrado e estranho nas músicas. Nós propositalmente acelerávamos e diminuíamos algumas partes. A maioria destes eram feitas por Fieldy [baixista do KORN] e eu. Nós trocávamos o tempo no meio da música e isto não fazia sentindo.

Uma das grandes coisas sobre as músicas é que elas não possuem regras.

Avance para nosso próximo disco, ‘Issues’, um grande produtor chegou e começou a nos dizer que iria ‘nos levar ao próximo nível’. Eu imediatamente achei que isto era mentira. Eu achei que nós tínhamos acabado de fazer três discos lendários.

Aqui está o próximo ponto chave. Ele queria gravar o disco no sistema digital Pro Tools. Ele também queria gravar tudo em um click track, eliminando todas estas loucas mudanças de tempo e quebradas, os puxões e os empurrões. Eu era o único que achava que isso era uma ideia horrível. Nosso estilo característico estava sob ataque e os caras simplesmente disseram para ouvir este ‘grande’ produtor.

Então nós começamos a compor as músicas. Eu fiz minha parte de bateria tocando no meu estilo. O produtor imediatamente queria que eu simplificasse minha música. Eu disse: ‘Este não é o seu disco. Eu vou fazer isto do meu jeito.’ No próximo dia eu recebi uma ligação de nosso agente dizendo que um dos membros da banda estava falando que eu estou sendo difícil de se trabalhar. Sério! Então estava recebendo o pedido de me tornar um marionete,diminuir minha habilidade e ser um bom garoto. Eu ouvi isso tantas vezes que eu simplesmente simplifiquei tudo.

Uma merda, certo?

A seguir chegou a mensagem de que gravaríamos todas as faixas de música antes de Jon [Davis, vocalista] começar a gravar os vocais. Este foi outro grande golpe em nosso som característico. Nós sempre escrevemos músicas como uma banda de cinco peças e fizemos este sotaque único e as quebradas especificamente para os vocais.

Bem, aí se foi o som único do KORN.

Uma vez que nossa forma original de composição foi trocada, o som original também foi trocado. Eu estava desapontado.

Perguntaram-me inúmeras vezes porque nosso som mudou tanto após ‘Follow The Leader’. Agora vocês sabem a resposta.

Eu amo a música que fizemos após ‘Leader’, não entenda mal. Mas ela perdeu tanto de nosso som que acho que os fãs perceberam.

Fiz várias tentativas de levar a banda de volta aos básicos, e escrever e gravar como fizemos nos três primeiros álbuns, mas encontrei novos obstáculos todas as vezes. Eu não sei por quê. Tudo que eu queria era fazer discos melhores, mas os outros membros não queriam passar um tempo maior fazendo algo da forma original. Mas eu tentei.

Quando eu falei sobre trazer a diversão de volta, eu falava sobre o estilo de composição original.

Eu adoraria voltar aos ensaios com os caras e ressuscitar aquela paixão original e o estilo de composição não convencional e fazer um álbum que se equipare aos três primeiros. Claro, antes disso acontecer eu adoraria sentar com os caras e falar sobre nossas raízes humildes e colocar as coisas em perspectiva.

Eu realmente espero ver os fãs do KORN de novo pelo outro lado do meu kit de bateria.

Se alguém quiser postar isto em algum site, por favor o faça. Tudo que eu peço é que sejam honestos e o postem na íntegra, e não tirem partes do contexto.

Eu espero que os verdadeiros fãs do KORN achem estes pensamentos interessantes.

Cuidem-se todos. Falamos em breve.”

Silveria foi o segundo membro da formação original do KORN a deixar a banda, deixando-a no fina de 2006. O guitarrista Brian “Head” Welch saiu do grupo no final de 2005, mas Welch continuou sua carreira solo e voltou ao KORN neste ano. Silveria se aposentou na Califórnia e abriu um restaurante.

Imagem

Fonte: Korn: ex-baterista explica como banda perdeu suas características http://whiplash.net/materias/news_824/186183-korn.html#ixzz2gOQWzK8l

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s